sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Calma, Martin, calma...

Mais uma vez o governo coloca os negros em posição de incapazes e ninguém faz nada. Não bastasse criar cotas em universidades, agora querem criar a mesma palhaçada para concursos públicos e empresas privadas. Martin Luther King deve estar se revirando no túmulo ou tentando se matar de novo!
Gente, se eu fosse negra, estaria possessa com essa história. Quem disse que os negros são incapazes de conseguir essas coisas? Quem disse que são menos inteligentes? Olha o Barack Obama, o Malcom X, o próprio Luther King, até Machado de Assis! Eles se destacaram por não se acomodarem com o papel de vítima do mundo em que a sociedade os colocava. E essa história acabou em 1888, quando princesa Isabel pôs fim à escravidão.
Acho que todos têm capacidade de conseguir as coisas se realmente desejarem. Essa história de preconceito, de perseguição é só uma desculpa confortável para conseguir as coisas na maciota.
Falam tanto em discriminação mas, quando alguém aparece com um absurdo desses, ninguém percebe. Pior que o cara que criou isso é um negro! Que baixa autoestima é essa, pessoal?
Na boa. Qualquer um é discriminado quando vai procurar emprego vestido de maneira inapropriada, falando de forma inapropriada. Isso nada tem a ver com raça ou credo. Estamos no século 21 e já não tem mais graça fazer papel de injustiçado quando a posição em que se encontra foi escolha própria. Se o problema é discriminação, também deveria existir cotas para mulheres, alemães, portugueses, índios... todas as raças.
Deixo claro que não sou preconceituosa e que acredito que, se a gente não evolui, é porque a gente não quer. Exemplos existem aos montes. Basta querer se informar.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Ainda Johnny Cash

Pois é. Ainda estou fascinada por Johnny Cash. Tô até começando a acha-lo bonito! Ai, meu Deus...
Por isso, mando aqui mais um vídeo muito bom. Quer dizer, música boa ele tem de monte, mas essa é que eu estou mais psico esses dias. Chama-se "Ring Of Fire" e foi escrita por June Carter antes dela virar mulher dele.





quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Geladeira que esquenta?!

Pois é. Tal absurdo paradoxal existe e está à venda. Trata-se da maravilhosa Mini Fridge, uma espécie de geladeira portátil que mantem os alimentos na temperatura que você quiser. Quer cerveja quente? Ele faz! Coxinha gelada? Tá na mão!!!
Claro que um produto desses só podia ser coisa da Polishop, né. Quem mais teria esta ideia brilhante? Pra mim, não existe diversão mais garantida do que ler a revistinha deles que se pega 'digrátis' no shopping. Adoro!
Olha só a descrição do produto: "
Só a incrível Mini Fridge Prata acompanha você em qualquer lugar e deixa seus alimentos e bebidas na temperatura que você desejar! Seja nas suas viagens, em casa, no escritório, na praia ou até mesmo no carro, você sempre tem bebidas geladinhas nos dias quentes ou um delicioso sanduíche bem quentinho para matar a sua fome." HAHAHAHHA!!!!!
Não passa um filminho tosco na cabeça de vocês? Tipo, a família num picnic, a filha pegando um refresco geladinho enquanto o garotão prefere um sanduba ixperto? Tudo isso com o tal Mini Fridge ligado na bateria do carro (que certamente não vai pegar depois). Mas, quem se importa? A família está feliz e sorridente ao sol de primavera, numa colina verdejante, com roupas que exalam perfume de Confort...
Mal posso esperar pelo próximo lançamento deles! Depois eu conto.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Lolita Balzaquiana

Que eu sou bipolar meio mundo já sabe. O que eu talvez não soubesse é que isso é tão evidente.
Tava eu em casa, muuito ocupada, quando resolvi entrar no site da Elle para ver o que acontece neste mundo fashion e me deprimir um pouquinho mais por não ter la pasta para comprar algumas coisinhas bem bacanas que vi por lá quando encontrei uma lista de teste pra fazer. Um deles era: Qual a sua idade verdadeira? É o seguinte: você pode ser superjovem e ter a cabeça de uma anciã ou tudo isso ao revés. Bem, fiz o teste. Veio o resultado: minha filha, nem a gente sabe o que você é. Você é a mistura de dois tipos de mulheres! Bem, olha aí o que isso quer dizer:

"ALMA VINTAGE
Incrível, mas parece que você já nasceu velha. É do tipo que desde criança foi responsável demais para a idade. Hoje, a coisa se agravou. Você tem mais ou menos 70 anos. É cheia de manias, só quer ficar em casa assistindo novelas, gosta de fofocar, tem medo de qualquer experiência nova e gosta mesmo é de jogar um buraquinho. O lado bom da sua "senhoridade" é que você tem uma certa sabedoria, não fica querendo impressionar as pessoas e só faz o que gosta. O duro é arrumar um namorado de 30 e poucos anos que encare passar o domingo no sofá comendo aquele bolinho de cenoura que você faz tão bem!
PLUS

BABY FACE

Menina, você realmente tem o espírito de uma adolescente. Imita o estilo de vestir da filha de seu namorado, volta sempre bêbada das festas, grita quando vê alguma coisa de que gosta muito, não larga do seu iPod, enfim, é uma teen num corpo de mulher. E isso tem vantagens e desvantagens. A coisa boa é que você realmente acaba parecendo mais nova do que é tamanha a sua empolgação com tudo. A má notícia é que muita gente pode achar você meio infantil. O segredo é equilibrar a sua idade real e esse jeitinho meigo e alegre de ver a vida.
"

Audácia da filombeta! Nem jogar buraco eu sei! E detesto quem fala com aquela vozinha de criança retardada! Agora, gosto sim de fazer bolo e de tomar umas biritinhas. E só faço o que gosto MESMO!
Fazendo as contas, sobe dois, tira um, noves fora zero, segundo o teste, devo ter uns quase 30. Novidade...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Construindo uma Nação de Ignorantes

Lendo o caderno Mais! da Folha de ontem, quase caí de costas ao me deparar com um artigo do colunista Renato Mezan. Nele, o psicanalista e professor titular da PUC SP comenta sobre uma entrevista que o nosso excelentíssimo presidente Lula deu a revista 'Piauí' deste mês na qual afirma que não tem o hábito de ler e que este lhe dá azia. Será que ele escutou o que tinha acabado de dizer? Tá certo que não é de se estranhar uma afirmação dessas de um cara que diz, em discurso, que não precisou estudar para chegar aonde está.
Meu querido Lula, por acaso você quer criar uma nação de ignorantes? Imagina a cabeça do coitado que segue os seus passos ao ler uma barbaridade dessas. Você (sim, porque 'senhor' usamos com quem merece respeito) deveria incentivar a frequencia às aulas e o hábito da leitura em nosso país, mas parece que prefere ver crianças que não sabem escrever o próprio nome e não compreendem um texto simples fazendo propaganda de seu partido a se tornarem pessoas decentes.
De que adianta criar essa estupidez de cota nas universidades se você acaba de falar pro povo que ela é extremamente desnecessária! Para, meu!
Como brasileira sinto vergonha. Essa é a imagem que vai parar lá fora. E nós não queremos ser vistos como um bando de coitados iletrados que só prestam para fazer serviços braçais.
Pior é saber que ainda tem gente que acha que uma história de vida tosca dessas merece virar filme! Claro, no Brasil só bandido e vagabundo são valorizados. Ninguém nunca fez um filme falando do Matarazzo, que ajudou a construir o país. Fernando Henrique, que criou uma moeda mais forte pra gente também continua super reconhecido lá fora mas, por aqui... E olha que eu não votei nele, hein.
Para mim, o pior ignorante é aquele que tem orgulho de se-lo. E é exatamente isso o que o Lula está ajudando os brasileiros a se tornarem. Burros.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

A máquina de encolher

Intercâmbio é perfeito para a gente descobrir coisas sobre nós e sobre o mundo, mas só pude fazer meu primeiro intercâmbio aos 28 anos. Como tenho ascendência espanhola, escolhi Madrid para aprender de vez a falar espanhol e parar de envergonhar a família. A cidade é linda, cheia de vida e encantos. Mas, nos três meses que passei por lá, pude perceber que também é cheia de problemas, como qualquer outra. E um dos problemas que encontrei, nada tem a ver com a economia.

Embora eu já estivesse havia quase um mês na terra do rei Juan Carlos ‘Por qué no te callas?’, ainda não conseguia me familiarizar com algumas rotinas madrilenas. Lojas que não abrem de domingo ou, até, de sábado e a famosa siesta depois do almoço são difíceis de engolir quando estamos acostumados a fazer compras no supermercado às 2h da manhã de uma terça-feira sem nenhum problema. Os estabelecimentos comerciais, incluindo pontos turísticos, funcionam, geralmente, das 9h às 13h, param para o almoço e só retornam às 15h. Como eu estudava exatamente neste horário, tive que ‘rebolar’ para poder aproveitar as atrações da cidade.

Fiquei hospedada em um apartamento estudantil com mais quatro jovens de diferentes países. A única coisa que não compartilhávamos era o quarto. Fora isso, tudo era comunitário e de responsabilidade de todos. Por isso, erguemos nossa ‘Torre de Babel’ e fizemos uma escala para dividir as tarefas domésticas e a ‘lavanderia’. E foi aí que me aconteceu algo inesperado.

A lavadora de roupas: este estranho ser

Não sou uma dona de casa muito prendada, mas já havia lavado roupa vezes suficientes para saber o que fazer. Pelo menos era o que eu achava. À primeira vista a máquina de lavar parecia um utilitário doméstico inofensivo, mas que se transformou num ‘monstro’ nas minhas mãos desavisadas.

O problema começou com o modelo. Pelo que vi, em Madrid não é comum encontrar máquinas como a que eu guardo em minha casa tropical. Todos usam aquela que mais parece um aquário, com abertura frontal e que te hipnotiza com as voltas que a roupa dá. Bem, abri a porta e joguei o bolo de roupas lá dentro. Então, onde eu coloco o sabão e o amaciante?!? Ha! Você tem que abrir uma gavetinha que tem umas divisões internas, colocar numa fileira o sabão e na outra o amaciante. Beleza. E como liga? Gira o botão até um número (de 40 a 90) e aperta início!

Mas é aí que mora o perigo. Desavisada, coloquei a roupa para lavar na água quente (o 90 é em graus Celsius!). O que aconteceu? Além de uma desbotada federal na roupa escura, ainda manchei umas blusas claras que pus, por engano, lavar junto... Mas o drama não acabou aí.
Depois de tirar tudo da lavadora e constatar a bagunça, foi a vez de colocar tudo na secadora (que é igual a lavadora, mas sem água). Meio desanimada, joguei tudo lá e esperei, dessa vez sem conseguir ver o alucinante rodopio dos tecidos.

Quando tudo estava seco e passado, percebi que algumas meias, que já eram curtas, não serviriam nem na Infanta Leonor!

Com todos os meus colegas se divertindo às minhas custas e morta de tanto dar risada, descobri uma equação simples: lavar na água quente + secar na secadora = roupa encolhida! Isso mesmo. O jeans encolheu, a camiseta encolheu e até a roupa interior ficou menor!
Depois de todo esse sufoco e de perder algumas peças de roupas, descobri que, se eu virasse o botão pra esquerda, lavava com água fria.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

$$$ = Beleza

Quando estava na Espanha, adorava assistir a alguns programas de TV que não posso ver em casa. Em ordem de preferência:

- No te lo pongas (What not to wear): dois consultores de moda esculhambam um coitado com péssimo gosto para roupas. Depois de jogar tudo fora, saem com US$ 5 mil e o coió volta lindo e chique.

- Cambio Radical (Extreme Makeover): uma
pessoa muito feia manda um vídeo explicando porquê ela precisa de uma reforma geral na aparência e, depois de 2 meses, o cão chupando manga vira cachorrinha de madame.

Vendo esses programas tão culturais e mais alguns casos como o da nossa querida Ministra Dilma, chego a conclusão de que O DINHEIRO NÃO TRAZ FELICIDADE. TRAZ BELEZA!
É sério! Basta olhar seres como Carla Perez, Hortência, Mariah Carrey, Nicole Kidman, até Angelina Jolie! Todas ficaram bem mais apresentáveis depois da fama. Claro, há casos em que nem assim a coisa vai, tipo Hebe, mas que ajuda a 'desenfeiar' um pouco, ajuda.
Por essas e outras que lanço a campanha: quero dinheiro ou um marido rico. Só assim pra eu conseguir bancar meu Extreme Makeover e virar uma pin-up, que eu adoro!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

O presidente é pop

Há tempos não víamos alguém mais pop do que o Papa. Ontem, a cerimônia de posse de Barack Obama mais parecia um festival de rock tamanha a quantidade de estrelas da música, do cinema e da política que estavam presentes.
Deu até uma invejinha dos americanos. Todos estavam elegantes, educados, sem exageros, chiquérrimos. Mesmo induzido ao erro pelo presidente da Suprema Corte Americana durante seu juramento, o presidente não desceu do salto e preferiu acatar o erro a expor o cara ao ridículo na frente de 2 milhões de pessoas.
Isso pra não falar no discurso que, embora um pouquinho exagerado, utilizou anos de história para mostrar o caminho a seguir. E deu até uns recadinhos para o ex-presidente Bush que, para mim, estava com cara de alívio por pendurar as 'botas' e não via a hora de 'montar' em seu avião, colocar o seu chapéu e ir laçar alguns bezerros no Texas. Olha só essa parte do discurso:
"... saibam que a América é amiga de toda nação e de todo homem, mulher e criança que busque um futuro de paz e dignidade, e que estamos prontos para liderar novamente." (Alô, Bush? Entendeu?)
E mais essa: "... somente nossa força não é capaz de nos proteger, nem nos dá o direito de fazer o que quisermos." ROUND TWO, Bush!
Claro que a arrogância americana logo apareceu, né. "... aos que buscam impor seus objetivos provocando o terror e assassinando inocentes dizemos hoje que nosso espírito está mais forte e não pode ser dobrado; vocês não podem nos superar, e nós os derrotaremos." Calma, Cocada...
Enfim, o cara deu o recado de forma culta, não deixou o nacionalismo de lado, mas não saiu por aí prometendo mundos e fundos.
E a primeira dama Michelle, ma bele? Chiquérrima num modelito amarelo meio Jackie Kennedy. Adorei!
Agora, eu não gostei da parte em que ele fala que vai domar a natureza. "... Vamos domar o sol, os ventos e o solo para movimentar nossos carros e fábricas." Desculpa, Obama, mas a Mãe Natureza não pode ser domada por ninguém. Ela não nos pertence. Somos nós que pertencemos a ela. Veja só as respostas que ela nos deu por tudo o que fizemos com ela. Tsunami, terremotos, furacões... Não exagera, babe.
Sei lá, espero que toda essa euforia não vá por água abaixo em menos de um ano e que o cara consiga ajeitar a casa. Porém, devagar com o andor que o santo é de barro! (Sem trocadilhos racistas, please).

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

De ração e enganação

Cara, a coisa que eu mais detesto é perder tempo. Ainda mais quando me fazem acordar beeem cedo pra isso. Contemos a história do começo:
Um dia desses entrei num site de empregos e mandei CV para exatas 316 empresas cadastradas no dito cujo. Sabe como é, um dia se acorda psico.
Pois bem, entre outras, um tal de Espaço Vida Saudável me respondeu dizendo que está implantando um projeto vindo do México (meu sonho!) e que eu tinha o perfil que eles precisavam, por isso, era para eu ligar e marcar uma entrevista. Assim o fiz no mesmo dia em que recebi o e-mail.
Só que, como não sou besta, perguntei pro Google o que era esse tal Espaço Vida Saudável. Qual foi minha supresa quando vi que era da Herbalife! Na hora me liguei: vão me fazer lavagem cerebral e me colocar pra vender essas raçõezinhas. Mas a Poliana aqui quis acreditar que não era isso e que podia até ser uma boa oportunidade.
Hoje, o dia marcado, saí de casa às 7h30min pra ir até a Rua Augusta, onde fica o lugar. Preenchi uma fichinha e sentei numa sala junto com outros coiós. Daí passaram um vídeo chupadasso do 'Filtro Solar', chamado 'Hidrogênio', o que me deixou um pouco mais cabreira. Minha 'cabra' berrou mais ainda quando passaram o vídeo pela segunda vez.
Eu já tava levantando pra sair quando apareceu um cara mezzo mexicano, mezzo lusitano para explicar o tal projeto. Primeiro ele falou que era uma empresa de nutrição e comparou os produtos com ração de cachorro! Ai, minha Santa Mariquinha do Bigode Loiro... Daí chamou uns cabritos para darem o depoimento de como a vida deles mudou depois desse emprego. Me senti no AA! Aí ele fala assim: "Quem não se interessar e quiser sair, sem problemas". Menos 5 pessoas na sala.
Bem, daí veio um 'brimo' israelense para, de fato, explicar o tal projeto. Para isso, cada um daria o valor simbólico de R$ 15 e saberia tudo sobre essa maravilha milagrosa e transformadora de vidas.
Peguei minha bolsa, levantei e saí. Não sem antes praguejar um pouquinho por ter perdido R$ 2,30 a toa! E o meu sapato ainda comeu meu calcanhar. Droga!

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Sir Elton

Patrocinada pela Menina, sábado fui ao show do Elton John. Quer dizer, a família foi ao show. Mesmo com um dia esquisito, tão bipolar quanto eu (não sabia se chovia, esfriava ou fazia sol), a titia Elton reuniu quase 30 mil pessoas no Anhembi.
Chegamos por volta das 19h30min e a fila estava enorme. Pra ajudar, o estacionamento era lá no palácio de convenções e o show na Arena Skol. Andamos um pouquinho pra chegar, mas valeu. Foi bem diferente dos shows que estou acostumada a ver. Primeiro porque estava com a família e, segundo, porque a média de idade era 45 anos. Nem no show do Doors tinha tanto tiozinho.
Duro foi ter que aturar 40 minutos de James Blunt que, apesar de lindinho, é um porre. Tá, ele fez um cover do Slade, mas nem assim conseguiu me convencer. Fica quietinho, fica, bonito...
Sir Elton entrou no palco com apenas 3 minutos de atraso, se é que o nosso relógio não estava 3 minutos adiantado, e provou porque continua sendo referência musical para muitos. Aos 61 anos, titia só levantou do piano umas quatro vezes para interagir com o público, não fez nenhum intervalo antes do bis e nenhuma firulazinha afetada. O cara tocou lindamente por mais de duas horas e meia! Quem hoje consegue isso?
As melhores do repertório estiveram presentes e, no bis arrasador, trouxe Skyline Pigeon e Your Song. Precisava ver os casaizinhos dançando agarradinhos... tão romântico!
Sair até que não foi tão difícil e, pra alegrar ainda mais a minha noite, achei 10 centavos!

PS.: foto copiada do UOL Música

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Courtney IS Love

Courtney Love é minha musa inspiradora. Mas isso não quer dizer que eu vá sair por aí chapadassa, arrumando encrenca. Tudo tem limite, né.
Mas eu aaaamo a voz dela, o jeito como ela se veste e como ela bota a boca no trombone quando quer. Reconheço que, de uns 5 anos pra cá, a bichinha se acabou nas recauchutagens e tá parecendo traveco aidético pobre, mas sua 'obra' continua tão boa quanto o Live Through This, o segundo álbum do Hole e, para mim, o melhor de todos.
O Hole já não existe, mas ela não parou. Este ano deve sair seu segundo disco solo: Nobody's Daughter. Tô contando os dias...
Enquanto isso, fiquem com o vídeo de Celebrity Skin, com Courtney em sua melhor fase.




quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Escola de ignorantes

Fico revoltada cada vez que começa uma nova edição do BBB (Big 'Bosta' Brasil). Não consigo conceber a idéia de que uma emissora do porte da Globo priorize a ignorância ao conhecimento. Se bem que já era de se esperar, né. Há tempos a Globo se propõe a ser uma escola de ignorantes. Onde já se viu gastar milhões para produzir uma mini-série como a da Maysa, que valoriza a música do nosso país, se todo esse trabalho é jogado fora para se conseguir mais uns pontinhos na cambaleante audiência.
Sem contar na ausência total de valores que estão inserindo na comunidade. As novelas, ao invés de construir, estão destruindo o moral e o respeito entre as pessoas. É filho que bate na mãe, assassinos que se tornam milionários, banalização da violência e da sexualidade...
Não sou careta, mas acho que tudo tem um limite. O papel da TV, além de divertir, é educar. As crianças e adolescentes agem pelo exemplo e, quando veem cenas como essas, acham aquilo absolutamente normal. Todos nós sabemos que essas coisas acontecem, mas daí a passá-las em horário nobre já é demais.
E depois ainda colocam aqueles anúncios: "Educação. A gente vê por aqui." Onde, cara-pálida?? Só se for no canal fechado!

*imagem copiada do blog poisbem.blogger.com

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Manda Bala - Documentário

Um amigo irlandês que estudou comigo em Madrid me mandou um e-mail sobre um documentário americano que ele viu chamado 'Manda Bala'. Ele mostra o escândalo de Jader Barbalho e como isso auxilía a propagação da corrupção, do crime organizado e da impunidade brasileira. O coitado do amigo me fez mil perguntas sobre isso, se era mesmo verdade que todos os dias uma pessoa é sequestrada em São Paulo e tal... O medo era tanto que eu resolvi assitir o tal documentário.
Já na primeira cena aparece um letreiro que diz que ele não pode ser exibido no Brasil. Os caras entrevistam várias pessoas ligadas ao escândalo de Jader, do cara que cuida da fazenda de ranicultura dele, até delegados, senadores e advogados que acompanham o caso.
De acordo com o documentário, o Pará é todo controlado pelas barbaridades de Jader, que mantém o povo em rédeas curtas e, se preciso, manda matar mesmo. Daí o efeito dominó é instantâneo. O cara sai do Norte pra não passar fome, vem pra São Paulo em busca de emprego, não consegue nada, se desespera, começa a roubar comida e pessoas e, quando vê, já virou sequestrador.
Fiquei realmente triste com esse filme, mas muito mais indignada em saber que nós evitamos nossa própria realidade. Esse documentário deveria passar aqui, sim, para que todos vissem e tomassem uma atitude contra isso.
E o cara ainda tem a coragem de dizer que as mulheres são estressantes...

No Youtube o documentário está dividido em dez partes e com narração em espanhol. Mas, vale a pena ver.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Joãozinho Dindin

Tô numa fase Johnny Cash. Não sei se é porque tô terminando de ler sua autobiografia ou se foi porque vi o filme há pouco tempo, mas todo dia acordo com "Walk the Line" na cabeça.
Ele foi o primeiro cara a subir num palco todo vestido de preto, cantou na prisão e quase provocou uma catástrofe, cantava uma música chamada "A Guy Named Sue" para seus amigos da igreja! Aliás, sugiro a todos esses pseudo-rebeldes que passam horas alisando os cabelos e fazendo pose de mau na frente do espelho que pesquisem sobre figuras como Johnny Cash. Isso é atitude. Assim como Inezita Barroso, Billie Holliday, Ray Charles e tantos outros tidos como bregas ou velhos. Conhecimento é poder, moçada...

Bem, fiquem com o vídeo do "Joãozinho Dindin" cantando no presídio San Quentin em 1969 (muito antes da Rita Cadillac, hein) para alegrar o dia.








quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Sou branquinha, e daí???

Hoje saiu essa matéria no Yahoo falando de um produto que a mulherada asiática tá usando pra ficar mais branca. Não sei se é o mesmo que o Michael Jackson usa mas, embora eu ache isso absurdo, fiquei feliz em saber que estou na moda.
Não gosto de sol, ele não gosta de mim e a gente se entende. Gosto de ver minhas unhas ficarem roxas no frio, meu braço ficar meio azulado em lugares mal iliminados e minhas pernas tipo giz reluzirem ao sol.
Preconceito nenhum, mas sempre achei bonito uma pele clara. Na matéria, vi que tem várias mulheres adeptas do look 'morri e não me enterraram' e digo a todas elas: HURRAY!!!
Agora, convenhamos que isso não pode ser uma obsessão. Tem muita gente xarope que passava pomada Minâncora na pele pra entrar no Madame Satã. Peraí, né. O mesmo vale pro povo que passa urucum e vai torrar na praia ou fica laranja de tanto bronzeamento artificial. Pelamor!
Enfim, vou continuar com meu bronze palmito e vou, sim, usar saia no verão. Que se danem os padrões!

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Santa Sampa!

Possuída de um espírito criativo e artístico decidi fazer um tênis em homenagem a esta bela cidade que é São Paulo. Claro que ela tem problemas, como nós, mas me diga onde mais é possível jantar às 2h da manhã? Pegar um cinema à meia-noite? Fazer compras no shopping no feriado? Encontrar toda a sorte de comidas 'típicas'?
Eu amo essa cidade! Como já dizia o 365: "Sem São Paulo o meu dono é a solidão..."

Ah, se alguém quiser um igual, tô aceitando encomentas. Mas já aviso que este NÃO é um All Star. É um genérico que eu chamei de 'NO Star'. Comprei no Carrefour porque fiquei com medo de estragar um All Star novinho com minha incapacidade motora.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Hey, Ho! Let's Go!


Hoje me senti, mais uma vez, uma diva. Meu mentor luhtierístico e camarada Henry Ho, o mestre, me disse que colocou um link para o meu blog no blog dele! UAU! Agora terei que tomar cuidado com as besteiras que eu escrevo...
Valeu, Henry, pela força!

Aproveitem e deem uma olhada no blog dele. O post do Tupperwear é demais!

http://henryho777.blogspot.com/

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

É hora de trabalhar...

Tô feliz de novo. Comecei um novo job super bacana de gerenciamento de crise e já estou me sentindo menos inútil. São só três meses, mas torço pra que muitos outros desses apareçam. E poderei continuar com a Assessoria em paralelo.
Parece que 2009 já começou bem!